30 Sep. 2021, 10h51

Sandro Mabel destaca avanços da indústria goiana nos 70 anos da Fieg

Ao falar a lideranças nacionais da indústria presentes em Goiânia na reunião da CNI e outorga do Mérito Industrial, presidente da Fieg enumera, em breve balanço, conquistas que impactam positivamente a economia goiana e a melhoria da qualidade de vida da população

Em seu discurso na abertura da reunião da CNI em Goiânia e outorga do Mérito Industrial, na segunda-feira (29/09), o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás e dos Conselhos Regionais do Sesi e Senai, Sandro Mabel, destacou, em breve balanço, que a Fieg completa 70 anos de sua fundação capitalizando importantes avanços no desenvolvimento industrial goiano, “como uma grande campeã”. Ao ressaltar o slogan 70 anos fazendo o bem e formando campeões, ele enumerou conquistas da entidade, que “congrega os industriais goianos desde os primórdios do processo incipiente de industrialização e hoje atua na vanguarda dos avanços dos processos produtivos, no limiar da 4ª Revolução Industrial, da indústria 4.0.”

Sandro Mabel observou que a Fieg tem impactado, positivamente, a economia e a melhoria da qualidade de vida da população, por meio dos serviços oferecidos pelas instituições que compõem o Sistema Indústria em Goiás – a própria Fieg, o Sesi, Senai, IEL e os sindicatos industriais, que atuam de forma integrada. “Junto com nossos 35 sindicatos, trabalhamos para que nossas indústrias cresçam, sejam mais competitivas, inovadoras e conquistem mercado extrapolando fronteiras. Atuamos firmemente na defesa dos legítimos interesses da indústria, seja gestionando junto ao poder público, em suas diversas esferas, visando políticas públicas favoráveis ao desenvolvimento socioeconômico e sustentável, melhoria do ambiente de negócios, e disseminando inovação e tecnologia, seja orientando nossas empresas a vencer crises, a exemplo da pandemia que tantas vidas tem custado”, disse.

Atuação intensa para vencer pandemia e retomar atividades
A propósito da pandemia da Covid-19, o presidente da Fieg citou a intensa atuação do Sistema Indústria para vencer a crise e embalar a retomada das atividades econômicas, a exemplo da mobilização de empresários por meio do projeto de responsabilidade social Fieg + Solidária, para doar alimentos e outros produtos a quem mais precisa. “Matamos a fome das pessoas mais vulneráveis à pandemia, atingindo 280 toneladas de alimentos arrecadados e distribuídos por meio de entidades filantrópicas parceiras”, ressaltou. Ele lembrou também a estratégia de orientar empresários a não demitir seus colaboradores, apresentando alternativas. “Caminhamos juntos nos momentos mais difíceis.”

Em meio à pandemia, Sandro Mabel lembrou a ação exitosa do Senai de engajar-se a movimento nacional para consertar respiradores mecânicos, além de arrecadar cilindros de oxigênio e confeccionar máscaras para doação à rede de saúde pública. Por meio do Sesi, o Sistema cedeu em comodato mais de 200 capacetes de respiração Elmo para que as prefeituras pudessem salvar vidas, reduzindo a necessidade de internação hospitalar de pacientes com Covid-19.

Sesi e Senai, referências na educação básica e profissional
No âmbito da atuação do Sesi e Senai, o presidente da Fieg destacou a qualidade da educação básica e profissional das instituições, evidenciada em premiações de alunos em vários torneios e festivais de robótica nacionais e mundo afora, a exemplo de mundiais da Califórnia; na Universidade da Nasa, na Virgínia, e em Houston, nos Estados Unidos; na Hungria, na Austrália, entre outras competições internacionais disputadas presencialmente ou on-line, depois da pandemia. “Sempre estivemos entre os primeiros ou em primeiro lugar. Uma performance de encher os olhos igualmente com campeões em várias olimpíadas de robótica, matemática e ciências, áreas essenciais no ensino para o mundo do trabalho e voltado para a Indústria 4.0”, resumiu, lembrando ainda de conquistas no esporte, com vários alunos do Sesi no alto de pódio de diferentes modalidades.

“São conquistas que nos enchem de orgulho e que têm nos incentivado a investir cada vez mais em educação básica e educação profissional, potencializando tudo isso por meio da redução de despesas de custeio para destinar recursos do compulsório para investimentos e formar cada vez mais campeões, e na expansão de nossa rede de ensino estrategicamente distribuída pelos principais polos produtivos do Estado”, afirmou.

O presidente da Fieg ressaltou que Sesi, Senai e IEL, cuja atuação é cada vez mais integrada em Goiás, exibem performance expressiva no Estado, com grandes números de produção em suas respectivas expertises. No ano passado, mesmo em plena pandemia, com as atividades produtivas afetadas, o Senai efetivou mais de 125 mil matrículas em educação profissional e tecnológica, e aplicou 77,8% da contribuição compulsória em cursos gratuitos. Estrategicamente, potencializou sua produção, com 34.771 matrículas em EaD em cursos de qualificação profissional e técnicos. 

Nesse aspecto, ele destacou a parceria Fieg/Senai com a Enel Distribuição Goiás, que viabilizou a construção, em Goiânia, do Centro de Treinamento Avançado, o maior e mais avançado do País, tornando Goiás referência nacional em formação de mão de obra para o setor de energia. O Sesi, por sua vez, manteve durante o ano passado mais de 12 mil alunos em educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA), modalidade de ensino celebrou, em setembro, 20 anos transformando vidas dentro e fora das indústrias, tendo formado, nada menos do que 200 mil pessoas.

Escreva um comentário: